06-08-2019

ABO presente em banca e palestra sobre Ouvidoria, Bioética e Saúde


A Diretora de Publicações da ABO Nacional, Luciana Bertachini, fez parte como avaliadora da banca de Defesa de Doutorado de Bioética e Ouvidoria, realizada no Centro Universitário São Camilo, no último dia 2. A aluna Maria Elisa Meneguini defendeu a tese de Doutorado, intitulada: “Relação de Poder na Universidade: Aspectos Bioéticos em Manifestações de Ouvidoria". 

Luciana é doutora em Bioética tendo defendido em 2014, no Centro Universitário São Camilo, a tese de Doutorado: "Fundamentos de Bioética nas práticas da Ouvidoria".

A diretora também fez palestra no último dia 26 de Julho, sobre : “Ouvidoria, Ombudsman e Direitos e Deveres dos Pacientes”, no Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa como parte do  curso de Especialização em Experiência do Paciente e Cuidado Centrado na Pessoa – Encontro IV – UC 3 - Métricas e Gestão da Experiência do Paciente.

Bertachini defendeu em sua  tese que a sociedade contemporânea está cada vez mais crítica diante das injustiças e desigualdades sociais que vulnerabilizam os cidadãos e enfraquecem o exercício pleno da cidadania, bem como podem violar seus direitos humanos. De modo que são indispensáveis iniciativas concretas que os protejam no complexo sistema social.

Nesse contexto social, ela mostra que as Ouvidorias passaram a ter maior incentivo após o fim da ditadura militar, quando, com o processo de redemocratização do país, verificou-se a necessidade de se criar mais espaços ou canais institucionais de abertura para a sociedade. Assim, o instituto da Ouvidoria representa uma iniciativa concreta fortalecida no período de redemocratização do Brasil com atuação expressiva em instituições públicas e privadas, tendo como essência a escuta da pessoa em um espaço aberto e livre para as manifestações.

O cidadão passou a ter um canal de comunicação efetivo para apresentar suas questões, reclamações e sugestões, participando, assim, de maneira direta e indireta na própria administração das instituições. "Para cumprir seu papel de intermediário isento um Ouvidor não pode ignorar que as ordens sociais possuem costumes e valores éticos específicos, além dos gerais que definem a sociedade mais ampla".

Nessa linha de ideias, ela propõe  uma breve reflexão sobre os fundamentos da Bioética nas práticas do Ouvidor. “A Bioética da Proteção e da Intervenção são instrumentos fundamentais de suporte reflexivo às Ouvidorias no sentido de se potencializarem como dispositivo social facilitador do diálogo ante os desafios de minimizar as assimetrias de poder e vulnerabilidade”.

Comentários